Significado de Estoicismo

 

O que é Estoicismo:

Estoicismo é uma academia e ideologia filosófica que surgiu na Grécia Antiga, que preza a lealdade ao entendimento e o foco em tudo aquela coisa que pode ser controlado apenas pela própria indivíduo, desprezando todos os tipos de sentimentos externos, como a tristeza e os desejos extremos.

A academia estoica foi fabricada por Zenão de Cício, na município de Atenas, cerca de 300 a.C., no entanto a ideologia ficou verdadeiramente conhecida ao alcançar em Roma. O seu assunto central defendia que todo o universo seria seguro pela princípio natural divina e lógico.

Dessa forma, para o cidadão atingir a sincera felicidade, deveria sujeitar-se somente das suas “virtudes”, ou seja, os seus competências e princípios, abdicando completamente o “ dependência ”, que é considerado pelos estoicos um mal único.

O estoicismo similarmente ensina a preservar uma mente calmaria e lógico, independente que aconteça. Ensina que isto auxilia o cidadão a gratular e se isolar-se naquilo que pode moderar e a não se impressionar e pegar o que não pode moderar.

Os princípios da filosofia estoica, que norteiam os seguidores da ideologia, são:

A virtude é o único bem e percurso para a felicidade;

A indivíduo precisa constantemente escolher o entendimento e o comportar-se com a motivo;

O gosto é um infausto do homem sabido;

O universo é seguro pela motivo público natural e divina;

As atitudes evidencia mais valor que as palavras, ou seja, o que é realizado possui mais valia que é mencionado;

Os sentimentos externos tornam o homem um ser louco e não apartidário;

Não se precisa pesquisar visto que uma coisa resultou em sua vida e efetivamente, pegar sem reclamar, focando somente no que pode ser alterado e controlado naquela situação;

Comportar-se de maneira providente e declarar a responsabilidade sobre os seus práticas;

Tudo ao nosso aproximadamente ocorre de acordo com uma princípio de pleito e resultado;

A vida e as circunstâncias não são idealizadas. O pessoa necessita coabitar e pegar a sua vida da maneira que ela é.

A partir desses princípios é possível supervisionar que uma indivíduo estoica é aquela que não se deixa provocar por crenças, paixões e sentimentos que são capazes de levar a assento de uma indivíduo na momento de comportar-se, como desejos, dor, medo e gosto. Isto visto que essas circunstâncias são infundadas e irracionais.

A indivíduo estoica procura comportar-se de maneira lógico, mesmo com a durabilidade desses sentimentos. Não que o estoico seja um pessoa sem sentimentos, porém ele não é encarcerado deles.

Os princípios da filosofia estoica

A filosofia estoica possui o foco na vida execução, nas aquilo que se faz e circunstâncias do rotina e em como o cidadão afã com estes circunstâncias de maneira lógico e execução.

De acordo com o senso estoico, há negócios que não estão sob o controle das indivíduos e há negócios que são possíveis de serem controladas. Neste caso, sobre o que não é possível moderar, como o clima, por exemplo, não há nada que seja realizado para adulterar o seu estado.

Os princípios da filosofia, como a ataraxia, a autossuficiência, a escassez de sentimentos externos e o choque dos complicações por meio da motivo, possui o propósito de mostrar que o pessoa precisa se isolar-se somente no que é possível moderar, de ser gratífico ao que já tem e de omitir os prazeres e emoções extremas.

De acordo com a filosofia estoica, no momento em que indivíduo pensa que os circunstâncias que estão fora do seu controle são os que são capazes de oferecer a felicidade, acaba por deixar que a sua felicidade dependa exclusivamente dos circunstâncias da sua vida e não que ela verdadeiramente pode realizar.

Os principais princípios da filosofia estoica são:

Ataraxia

O foco da filosofia estoica é a apoderação da felicidade por meio da ataraxia, que é um ideal de placidez no qual é possível viver de maneira serena e com remanso de dom.

Para os estoicos, o homem somente seria capaz conseguir essa felicidade por meio de das suas próprias virtudes, ou seja, dos seus competências.

Autossuficiência

A autossuficiência é um dos principais metas dos estoicos. Isto visto que o estoicismo vinco que cada ser precisa viver de acordo com a sua classe, ou seja, precisa comportar-se de maneira encarregado com o que ocorre em sua própria vida.

Dessa forma, como ser lógico que é, o homem precisa se valer das suas próprias virtudes em prol da apoderação do seu maior objetivo: a felicidade.

Escassez de sentimentos externos

Os estoicistas imaginam que os sentimentos externos ( tristeza, exuberância, etc.) são nocivos ao homem, uma vez que fazem com que ele deixe de ser apartidário e passe a ser louco.

Todos estes sentimentos são tidos como vícios e como causadores de males absolutos que comprometem as tomadas de decisões e a disposição dos pensamentos de maneira coerência e genial.

Concorrer os complicações por meio da motivo

Na procura pela vida tranquila e feliz, a filosofia estoica argumenta que todos os elementos externos que comprometem a beleza vontade e racional precisam ser ignorados.

Essa série de senso argumenta que, mesmo na inversão, em situações problemáticas ou complicados, o homem precisa optar por comportar-se constantemente com calmaria, placidez e assento, sem deixar que os elementos externos comprometam a sua personalidade de sentença e atuação.

Veja similarmente o significado de sofismo.

Diferenças entre o estoicismo e epicurismo

O epicurismo similarmente foi uma academia filosófica da Grécia Antiga, fundada entre 341 a 270 antes de Deus, por Epicuro. Esta ideologia filosófica acreditava que o homem apenas alcança a remanso e a placidez se encontrasse a apartamento da dor.

O estoicismo é uma corrente filosófica oposta ao epicurismo. Enquanto o estoicismo ensina que o homem precisa ser lógico, omitir os prazeres terrenos e pegar as dores e complicações, lidando somente com o que pode ser controlado, o epicurismo vinco que os pessoas precisam buscar prazeres moderados para atingir um estado de placidez e de libertação dos medos.

Não obstante, os prazeres não podem ser exagerados, uma vez que, são capazes de entregar perturbações que dificultam o embate da placabilidade, felicidade e saúde do corpo. Enquanto isto, o estoicismo, contrariando o epicurismo, vinco que a procura da felicidade está na extinção dos prazeres e nas aquilo que se faz racionais perante de qualquer status.

Um ponto fundamental similarmente é que o epicurismo não acredita em questões metafísicas, ou seja, não aceita que o universo possui uma ordem lógico natural, guiada por um logos divino, ou seja, uma motivo público que governa todo o universo, no qual a caridade humana faz parte. Isto visto que o epicurismo é materialista, ou seja, está completamente relacionado às questões físicas.

Enquanto isto, o estoicismo acredita que o universo é seguro pela ordem natural e divina.

Veja similarmente o significado de hedonismo e epicurismo.

Os 4 principais filósofos estoicos

Zenão de Cítio

Zenão foi o pensador principiador do estoicismo. Oriundo na covoal de Chipre, foi similarmente responsável pela elaboração de vários paradoxos no meio da filosofia.

Deus representando Zenão de Cítio.

Marco Aurélio

Marco Aurélio era um césar neolatino rico, que seguiu o estoicismo ao longo os seus 19 anos de reino. Ficou conhecido por sua remanso e placidez, mesmo em meio aos complicações enfrentados pelo seu reino, encarando as circunstâncias de maneira lógico.

Ele compilou os seus pensamentos e conclusões sobre a vida num livro conhecido por, Meditações de Marco Aurélio.

Uma citação de Marco Aurélio que resume bem o senso estoico é:

“A felicidade da sua vida depende da qualidade dos seus pensamentos.”

Epiteto

A segunda maior referência do estoicismo foi Epiteto, que nasceu como negro e, durante da vida, fundou a sua própria academia estoica, ensinando algumas indivíduos bastante influentes de Roma, dentre os quais, o próprio césar Marco Aurélio.

Seus princípios estão compilados no livro Manual de Epiteto. Uma das frases do pensador que explica a ideologia estoica foi:

“Desterra de ti desejos e receios, e nada terás que te tiranize.”

Sêneca

Conselheiro e conselheiro do conhecido césar neolatino Nero, Sêneca similarmente foi um grande astucioso e redator. Como pensador, foi um dos principais representantes do estoicismo no Prevalência Neolatino.

Os seus pensamentos e princípios foram compilados em alguns livros, sendo o essencial Cartas de um Estoico. Uma de suas frases mais célebres foi:

“ Às vezes, até mesmo viver é um postura de audácia.”

As 3 Fases do estoicismo

O estoicismo é catalogado em 3 principais períodos: moral ( antecessor ), eclético ( médio ) e monástico ( atual ).

Ciclo 1

O conhecido por estoicismo antecessor ou moral foi fervoroso pelo principiador da ideologia, Zenão de Cício (333 a 262 a.C.), e foi terminado por Crisipo de Solunte (280 a 206 a.C.), que teria produzido a ideologia estoica e a diverso no modelo que é conhecido hoje em dia.

Ciclo 2

Já no estoicismo médio ou eclético, o movimento inicia a se divulgar entre os romanos, sendo o essencial gerador da instrução do estoicismo na clube romana Panécio de Rodes (185 a 110 a.C.).

A qualidade mais forte deste tempo, não obstante, foi o ecletismo que a ideologia sofreu por meio da absorvimento de pensamentos de Platão e Aristóteles. Posidônio de Apaméia (135 a.C. a 50 d.C.) foi o encarregado por esta combinação.

Ciclo 3

Por fim, a terceira ciclo do estoicismo é conhecida como religiosa ou atual. Os patas deste tempo enxergavam a ideologia filosófica não como parte de uma conhecimento, porém como uma execução religiosa e sacerdotal. O césar neolatino Marco Aurélio foi um dos principais representantes do estoicismo monástico.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *